0 comentário(s)

[COMENTÁRIO] SINAIS PREOCUPANTES NA ECONOMIA NÃO PROVOCAM REAÇÕES JUNTO À POPULAÇÃO.

A gasolina já aumentou 28% neste ano; O diesel 19%. O dólar bateu novo recorde histórico. E o preço da carne disparou. Hoje, há uma massa de pessoas que já abandou até mesmo o consumo da carne de frango e está tentando escapar comendo apenas ovo como proteína.

Diante disso, eu pergunto: Alguém teve aumento em valores tão altos percentualmente em seus salários nesse nível? Mesmo reunindo e somando os aumentos de cinco anos anteriores, raramente encontraremos categorias que tenham chegado perto desse tipo de reajuste. Muito menos as que ganham salário mínimo. E como fica a situação do desempregado? Parte deles, que recebem seguro desemprego passam a ser taxados pelo Governo, sob o argumento de que esse dinheiro vai servir para gerar empregos para os mais pobres.

Para completar, o Governo Bolsonaro ainda permite que os bancos cobrem tarifa para quem utilizar o cheque especial, justo no período onde a economia poderá faturar um pouco mais com as vendas de “Black Friday” e do Natal. Isso é um absurdo, pois quem acaba usando cartão de crédito ou, principalmente, o cheque especial é quem mais precisa. Detalhe: A taxa básica de juros, a SELIC, está no menor patamar da história, sinalizando o perigo de recessão na economia, mas os juros do cheque especial, mesmo limitados, chegam a quase cem por cento ao ano. Basta multiplicar: Oito por cento ao mês, vezes doze. E mais que o dobro desses juros são cobrados no cartão de crédito.

Vale relembrar que esses itens acabam impactando em toda a cadeia de produtos e serviços, provocando, por sua vez, aumentos em cascata.

É realmente absurdo, além de tudo isso, de todos os benefícios e vantagens dos bancos em relação aos consumidores, se permitir a cobrança de tarifa para se acessar a um crédito, em uma combalida economia.

Alguém pode estar pensando: Mas, por que isso não vira manchete nacional, ou por que isso não repercute tanto? Talvez a resposta esteja quando você liga a tv e escuta: “Crefisa […], Bradesco […], Itaú […], oferecem: Jornal nacional […], Bom dia Brasil […]”.

O que mais me chama a atenção é que parece que estamos diante de uma massa de pessoas anestesiadas ou em uma depressão coletava profunda de tal maneira que não conseguem reagir à sequência de perdas e dificuldades impostas diariamente. Muitos chegam até mesmo a reproduzir as desculpas que são divulgadas para justificar o injustificável que se pratica em nossa economia.

Um conformismo estarrecedor que muitas vezes se resume à frase: “é assim mesmo”. Ou ainda expõem um sentimento de impotência: “a gente não pode fazer nada”. Será mesmo que não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *